Diários

Compartilhar


Querido Papai - XI

Sobrevivente: Sara Roccher escreveu em 18/01/2013

Querido papai, eu queria saber onde o senhor esta. Estou com tanto medo, não sei mais o que fazer. Na verdade não me deixam fazer nada porque sou muito nova.

Mamãe esta muito distante de mim, às vezes parece que ela não liga mais para mim. Ela briga comigo o tempo todo, como se eu fizesse coisas erradas sempre e eu nunca faço nada. Tia Alice diz que é porque ela esta muito preocupada com meu irmãozinho e com o senhor que esta longe, mas mesmo assim eu acho que não é motivo para me tratar mal. Eu amo minha mãe, mas estou muito triste com ela. Por isso queria que o senhor estivesse aqui comigo para me abraçar.

Todos os dias meu tio Bernardo sai para procurar comida, ele diz que também procura um lugar melhor para nós ficarmos, pois aqui dentro desse porão não é muito bom, para ninguém e muito menos para o bebê.

Durante a noite escutamos algumas pessoas passarem pelos lados da casa, eu normalmente escuro tudo porque não consigo dormir a noite, pois tenho muito medo. E meu primo Augusto também fica acordado comigo, ele diz que é para me fazer companhia. Já o peguei chorando duas vezes.

Estou com saudades. Beijo Sara.

Deixe o seu comentario


Ruti Goulart

Autor: Ruti Goulart em 20/08/2014

"Todos temos luz e trevas dentro de nós. O que nos define é o lado com o qual escolhemos agir."


Compartilhar


Querido Papai - X

Sobrevivente: Sara Roccher escreveu em 17/20/12013012013

Querido papai, eu não escrevi mais porque não tínhamos parado ainda para descansar. Mesmo não querendo acreditar no que aconteceu parece que o lugar que nós estávamos foi completamente infectado. Durante a noite meu tio escutou barulhos estranhos, mas não falou nada, foi o que ele nos disse. Quando acordamos, ele já estava pronto com todas as mochilas prontas, disse que tínhamos que sair daquele lugar o quanto antes. Tia Alice e ele começaram a discutir até um homem vir e abrir a porta com bastante força. Ele começou a gritar e dizer que as pessoas estavam loucas e que minha mãe e meus tios tinham que pegar todas as crianças e fugir o quanto antes. Minha tia começou a gritar que não íamos a lugar algum ainda mais com um bebê de colo com poucos dias de vida.

Eu não conseguia não chorar, eu estava com muito medo e pela primeira vez vi com meus olhos meu primo chorar também, eu queria rir, mas não podia. Acabamos ficando abraçados e saímos correndo segurando um a mão do outro para não se perder. Meu tio pegou meu irmãozinho no colo e saio correndo enquanto minha tia Alice ia à frente segurando a mão do meu primo que segurava a minha mão e eu segurava a mão da minha mãe.

Quando estávamos correndo algumas pessoas saíram correndo atrás da gente, eu não sabia se eles estavam tentando fugir também ou se estavam infectados. Eles quase pegaram a minha mãe que me empurrava cada vez mais para frente para fugir daquele lugar.

Do outro lado do lugar que nós estávamos estava cheio de gente se empurrando e gritando como loucos. Todos estavam com medo e não paravam de chorar, fiquei mais aliviada eu não era a única! No meio de todo mundo eu vi algumas pessoas mordendo e comendo umas as outras, dai sim que fiquei com medo e meu primo também. Tio Bernardo se perdeu de nós e minha mãe gritava muito pelo nome dele, minha tia falava que provavelmente ele já estaria na rua.

Não conseguíamos passar porque havia muitas pessoas nos corredores todos se empurrando, muitos pisaram nos meus pés e quase me derrubaram. Minha sorte foi meu primo me segurar com bastante força se não teria caio e eles teriam passado por cima de mim. Meu tio puxou meu cabelo com força pra que fossemos atrás dele, doeu muito quando ele puxou! Conseguimos sair graças ao meu tio, que foi atrás de nós e achou um lugar mais seguro para sair de lá. Ele roubou um carro de polícia e saímos de lá a toda velocidade.

Todos os lugares estão cheios de pessoas infectadas. Não conseguimos parar em nenhum lugar, tentamos entrar na cidade, mas não conseguimos e várias pessoas tentaram roubar nosso carro. Fiquei com pena deles, mas meu tio não parou para ninguém, ele disse que aquelas pessoas iriam matar a gente.  Fiquei muito apavorada com todas as pessoas correndo e fugindo de outras pessoas papai. Preciso do teu abraço papai, eu sei que o senhor deve estar em um lugar bem pior do que o nosso, mas volta logo. Ah, estamos escondidos em um porão da casa de uma pessoa que minha mãe conhece.

Beijo, Sara.

Deixe o seu comentario


Ruti Goulart

Autor: Ruti Goulart em 06/08/2014

"Todos temos luz e trevas dentro de nós. O que nos define é o lado com o qual escolhemos agir."


Compartilhar


Querido Papai - IX

Sobrevivente: Sara Roccher escreveu em 15/01/2013

Querido papai, hoje acordamos com muita gritaria nos corredores. Alguns dos homens armados brigaram com o tio Bernardo porque ele abriu a porta para ver o que havia acontecido. Ele gritou com meu tio e o empurrou com toda força para trás. Tio Bernardo caiu com tudo no chão e ficou reclamando e falando alguns palavrões para o homem armado.

Depois disso escutamos vários tiros e gritos, mas não saímos de dentro do quarto porque é muito perigoso.

Hoje comemos bolacha de leite, era o que tinham para nos dar. Tia Alice estava brava, e gritava bem alto que tinha uma mulher que havia ganhado um bebê há pouco tempo e que precisava se alimentar bem. Acho que não é só minha mãe que precisa comer bem, também estou com fome. Meu tio fica me chamando de egoísta, mas é que agora é tudo pro meu irmãozinho. Eu estava tão feliz antes de ele nascer, achava que não seria assim.  Saudade de você papai, volta logo!

Beijo Sara.

Deixe o seu comentario


Ruti Goulart

Autor: Ruti Goulart em 03/08/2014

"Todos temos luz e trevas dentro de nós. O que nos define é o lado com o qual escolhemos agir."


Compartilhar


Querido Papai - VIII

Sobrevivente: Sara Roccher escreveu em 30/01/2013

Querido papai, minha mãe está bem se o senhor quer saber. Meu irmãozinho não é tão bonito assim ele é estranho. E minha mãe não para de ficar com ele no colo, nem da mais bola pra mim. Estou triste, queria o senhor aqui pra me abraçar!

Ele não para de chorar um minuto, é estranho escutar esse barulho que ele faz. Escutei tia Alice falar que minha mãe não tem leite suficiente, que ela precisa ir a um médico, mas ninguém deixa nós sairmos daqui desse quarto.

Mudando de assunto, um pouco antes eu precisei ir ao banheiro, tia Alice foi comigo e quando estávamos chegando escutamos gritos e tiros dentro de alguns quartos. Os homens com armas mandaram nós irmos rápido porque por ali era perigoso. Quando estávamos voltando minha tia perguntou para uma mulher o que havia acontecido, a mulher disse que dentro do quarto tinha uma pessoa infectada e parece que era parente do menino que estava gritando na rua e que algumas pessoas ficaram feridas, mas já estava tudo sobre controle.

Voltamos para o quarto bem rápido e fiquei um pouco com medo. Depois disso meu primo ficou me incomodando e dizendo que os infectados iriam me pegar. E agora estão todos ao redor do meu irmãozinho e da minha mãe, estou um pouco com ciúmes. 

Beijo Sara.

Deixe o seu comentario


Ruti Goulart

Autor: Ruti Goulart em 30/07/2014

"Todos temos luz e trevas dentro de nós. O que nos define é o lado com o qual escolhemos agir."


Compartilhar


Querido Papai - VII

Sobrevivente: Sara Roccher escreveu em 13/01/2013

Pai, minha mamãe está ganhando meu irmãozinho aqui dentro do quarto. Não consigo ver porque o tio Bernardo colocou um lençol na frente para eu e o Augusto não ver. Meu primo fica rindo de mim por eu estar escrevendo aqui para o senhor, ele diz que sou uma boba porque você nunca vai me responder. Pode até ser que não responda, mas preciso ti contar que seu filhinho mais novo esta nascendo.

Minha mãe não para de gritar, isso é normal? A tia Alice esta lá com ela e tio Bernardo esta de costas segurando o lençol. Não vem ninguém ajudar minha tia, o que vamos fazer?

Deixe o seu comentario


Ruti Goulart

Autor: Ruti Goulart em 27/07/2014

"Todos temos luz e trevas dentro de nós. O que nos define é o lado com o qual escolhemos agir."


Compartilhar


Querido Papai - VI

Sobrevivente: Sara Roccher escreveu em 12/01/2013

Querido papai, não sei mais o que está acontecendo por aqui. Faz alguns dias desde a última vez que saímos do quarto. Parece que os homens que cuidam das portas não estão mais deixando as pessoas saírem, apenas uma pessoa pode sair por vez e quando precisamos ir ao banheiro vamos em dupla. Na noite passada escutei a tia Alice falar para o tio Bernardo que esta muito preocupada com minha mãe, porque ela esta quase ganhando meu irmãozinho. E se isso acontecer papai? Você vai estar aqui com a gente?

Mamãe anda reclamando muito de desconforto, não entendo o que é ter alguém dentro da barriga então não sei o que ela sente. E ela anda chorando muito papai, acho que esta com saudades de você assim como eu. Não vejo a hora de você voltar e ti dar um abraço bem forte.

Estamos escutando muitos gritos de pessoas ultimamente, estou com bastante medo daquelas pessoas infectada papai. Volta logo papai!

Beijo Sara.

Deixe o seu comentario


Ruti Goulart

Autor: Ruti Goulart em 23/07/2014

"Todos temos luz e trevas dentro de nós. O que nos define é o lado com o qual escolhemos agir."


Diários Finalizados

Limpar


Você conhece a história do Dia Z?

Clique aqui e leia a versão completa da história!

Ajude-nos comprando aqui!
:-D

Assista o último vídeo

TragiTopSeven #04 - Baixistas Mais Virtuosos do Planeta